Jorge Pinheiro

1. Nome, idade e ocupação:
Jorge Pinheiro, 58 anos, licenciado em Direito, natural de Lisboa.
Trabalhei durante 30 anos na área das Telecomunicações, estando actualmente na situação de pré-reforma. Isto é, pagam-me para ficar em casa. Por isso sou bloguista, músico, escultor, fotógrafo, pintor e escritor. Também me ocupo em várias actividades cívicas e culturais, nomeadamente na MAPA-Associação Cultural e Associação e Moradores de Nova Oeiras (o bairro onde moro). Organizo vários eventos culturais e mantenho activa a minha banda, os “Ephedra” que tocam “jazz-rock. Eu toco vibrafone.

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Chego à conclusão que trabalho mais do que quando estava na empresa. A diferença é que faço o que quero e não estou dependente disso economicamente. Sou um desinquieto nato e desinquieto toda a gente. Acho que nasci para desinquietar. O gozo que tenho é fazer coisas, organizá-las. Dinamizar pessoas e competências. Não gosto de aparecer em primeiro plano. Gosto que as coisas corram bem. Esse é o meu prazer Sou um perfeccionista moderado e um centralizador disfarçado. A vida ensinou-me que o óptimo é inimigo do bom e que, às vezes, os outros também têm razão.

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
Sinceramente não tenho grandes ambições. Julgo mesmo que nunca pensei nisso. As coisas vão acontecendo e nós vamos acontecendo com elas. Talvez gostasse de ter tido mais algum reconhecimento musical e gostaria de ter coragem de me dedicar só à escrita, embora me sinta mais “protegido” nesta multidisciplinaridade..

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Não, não acredito. Eu poderia ser qualquer coisa. Desde cientista a agricultor. Se há algum condicionamento terá que ver com o período da adolescência. Tem muito a ver com a dinâmica social que criamos nesse período (quem conhecemos e com quem nos damos) e também com a educação que temos (mais aberta, mas espartana, mais liberal, mais atávica, mais moderna).

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Neste momento, detestaria ter um trabalho com horários e ter de andar, obrigatoriamente, em filas de trânsito. Isso foi o que ganhei ao sair da empresa. Agora o que detestaria mesmo fazer era de ter qualquer ocupação ligada a armas (tropa, polícia,etc)

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Não. Acho, sinceramente, que é tudo muito éfemero e ter a pretensão de querer essa transcendência é mais uma vez querer ultrapassar a morte. E ela é inultrapassável. Temos de a encarar de frente e a melhor forma (para mim) é não pensar nisso. Noutra acepção, fama e glória dão dividendos imediatos: o ego que se envaidece; o dinheiro e o consumo associado; as mulheres… Confesso que um pouco de fama não faz mal nenhum, desde que se seja inteligente e se mantenha a relativização das coisas. Pior é, sem dúvida, sermos uns frustrados.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Não acho que os génios existam. Há condições que fazem emergir pessoas que estão no lugar certo no momento certo. E também há muita confusão entre loucura e genialidade.

8. O que é a arte para você?
Arte é tudo aquilo que resta depois deixarmos de sonhar.

9. Quem te inspira? Por quê?
Sou inspirado pelo momento, pelo sítio e pela oportunidade. É um “flash” que cai sobre mim e me pôe a sensibilidade a trabalhar. Fico agarrado e sei que fico, por isso sei que estou inspirado.

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
Eu estou sempre a ler várias coisas ao mesmo tempo. Leio muita História. Gosto de ler vários livros segidos sobre o mesmo tema histórico para avaliar as interpretações. Não gosto História sob a forma romanceada. Neste momento estou a ler “o Coração do Rei”, de Iza Salles, sobre o nosso D. Pedro IV, I do Brasil e a “Grande Guerra pela Civilização”, de Robert Fisk. O meu livro preferido é “Margarita e o Mestre”, de Mikhail Bulgakov. Já o li mais de dez vezes e continuo sempre a descobrir novas camadas de interpretação. Inserido na corrente da chamada “ literatura fantástica”, é um livro espectacular, escrito nos anos 40 do séc. XX, em pleno período estalinista. Tem uma descrição sobre o julgamento de Jessus alucinante. Foi um livro que li nos anos 70, na sua primeira edição, e que me marcou decididamente. Desconfio que a ele devo a tentação de escrever e o meu estilo é por ele influenciado.

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia?
Sou muito espontâneo, por um lado (o tal “flash”). Por outro lado, ando sempre a pensar nisso (pelo menos subconscientemente).

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
PC e papel, com caneta azul. Escrevo melhor directamente no PC. Mas as ideias surgem em qualquer lado. Por isso sou o homem dos caderninhos e papelinhos com esboços de todo o tipo.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
Decididamente Blogue. Texto, fotos, video, tudo cabe lá. Pode dar-se uma forma bem estruturada, cuidada, didáctica, divertida…. Um Blogue é uma obra. Algo que se pode reler, estudar, analisar. O resto são ferramentas comunicacionais de curto prazo, quase instantâneas. São excelentes para contactos fortuitos ou para quem tem pouca imaginação.

14. Existirmos, a que será que se destina?
Pois… Pergunta sem resposta. Mera evolução das espécies. Ou mesmo engano da natureza. Não sei. Sou ateu e, portanto, tenho a vida muito facilitada nesse aspecto. Quem tem uma religião é que sofre com essas dúvidas.

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
Absolutamente. O que às vezes é mau. Sou demasiado transparente. A vida, no entanto, ensinou-me alguma prudência e a educação impede-me de ser totamente aberto.

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
Durante a tarde e “late in the evening”. O meu bio-ritmo matinal é um pouco lento e os sentidos ainda estão a dormir.

17. Qual seu site preferido?
Francamente tenho inúmeros. Não consigo identificar nenhum que “ganhe” aos outros de forma definitiva

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
Enquanto músico, sim. Já como fotógrafo menos (isto porque sou um “instintivo”). Como escultor e pintor sou autididata. Agora, o que dá mesmo trabalho é ser bloguista!

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Bem, tudo depende da forma da crítica e de quem critica. Mas reajo bem às críticas, desde que perceba a intenção delas. Ou seja, a crítica malévola ou frívola incomoda-me.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Sem dúvida. A nossa vida tende a ser uma rotina de rotinas. Tudo o que inove é bom, até se transformar inevitavelmente em rotina. Porém, a minha capacidade de experimentar tem limites. E um deles é o Medo. Esse é um inimigo que nos acompanha a vida toda e nos faz pensar duas vezes. Estou a falar do Medo e não do medo.

21. Drama ou comédia?
Sem dúvida comédia. É bom rir de tudo e de nós próprios, principalmente. Só assim aprendemos a lidar com a vida e com a sociedade.

22. Houve algum momento que que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Não. Não faz o meu género. Eu sou de signo “Virgem”, como já se deve ter percebido.

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Francamente não.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Eu vivo o meu tempo. Não tenho tendência saudosista. Encontro nas memórias uma boa fonte de inspiração literária. Talvez assim afaste os meus fantasmas.

25. Os seus nervos são de aço?
Nem pensar. Mas também não cedo às primeiras. Tenho uma boa dose de frieza e de racionalismo. O pior são aquelas três ou quatro vezes por ano em que me passo!...
A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
Já se percebeu que não vou nisso deus. Deus é apenas Medo da morte.

Como é seu local de trabalho?

Obrigada Jorge. Adoro isso de "receber para ficar em casa".

Saibam mais sobre este Senhor aqui. Ouçam Ephedra aqui.

Read more

Leo Lama


1. Nome, idade e ocupação:
Meu nome é Leonardo Martins de Barros, mas inventei um Leo Lama, junto com meu pai, para ser artista com nome artístico. Leonardo vem de Lionheart (coração de leão). Portanto, Leo é leão e Lama é esse pó da terra, sou um leão de argila e também um monge do Tibet. “Leolam”, sem o “a” quer dizer “mundo” em hebraico, ou seja, tenho uma coisa que me joga às esferas. Tenho 45 anos, às vezes sou maduro, às vezes sou velho, mas quase sempre sou adolescente em termos de curiosidade. Sou escritor, mas minha vocação é organizar pensamentos e procurar a comunicação perfeita. Gosto de esclarecer conceitos mal formulados.
2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Eu faço o que eu faço porque o que faço foi me fazendo sem que eu percebesse o que fazia. A satisfação é uma busca de consenso e de Si mesmo. Acredito no princípio do prazer, mas, nem sempre este coincide com a Ética. Ao cavaleiro cabe a postura de quem serve a algo maior. Superior a ele. Quero ser um cavaleiro quando eu crescer.

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
Eu gostaria de chegar aos oceanos sem margens. Eu gostaria de atingir a forma perfeita em minha arte, aquela com estrutura capaz de se preservar de modismos e mentes estreitas. Gostaria de conseguir imitar a estrutura da flor.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Em termos de profissão faria qualquer coisa que não ferisse a Ética e a Espiritualidade, não acho que ser “profissional” é algo importante. Não vejo a vocação como uma idéia, mas como um chamado. A palavra é religiosa, vem do latim e se refere ao chamado para se tronar um religioso. Um padre, por exemplo. Encontrar esse chamado é uma busca espiritual, pois se refere à estrutura do ser de cada um e não à ocupação na sociedade. Mas, como a maioria dos conceitos nos tempos modernos, o conceito de vocação se apequenou, se vulgarizou e se encontra em processo de definitiva banalização nos testes vocacionais. Portanto, como todo ser humano, eu nasci para ser um vocacionado.

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Na verdade eu não gosto de fazer. Não sou gente que faz. Não tenho saco para fazer coisas. Não suporto ter uma ocupação, qualquer que seja. Acho tudo bestializante quando fazer é mais importante do que realizar. Gosto de não fazer nada, mas principalmente quando este nada é propiciador de acontecimentos em meu interior. Eu gostava de ir ao cinema, mas ultimamente, não consigo assistir um filme até o fim. Sinto falta de obras-primas.

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Preocupo-me com o conceito de transcendência em um trabalho. O que seria isso? O que se transcende? O trabalho faz mal. O trabalho corrói o caráter. A obra é transcendente e imanente. Ou seja, deve ser direcionada ao metafísico e a partir do metafísico. O que é o metafísico? Viu? Todos os conceitos precisam ser esclarecidos para que possa haver diálogo. Quando estou pensando em fama, sinto que este pensamento não me pertence, sinto que é um pensamento criado a partir da própria sociedade que foi sendo criada ao longo dos séculos, sociedade decadente, diga-se. O desejo de fama é mimético, jamais será genuíno. É uma distorção do ego. Glória seria outra coisa. O conceito original também é religioso, vem da glorificação a Deus. Portanto, o homem que pensa na própria glória estaria se colocando em um lugar que não é seu. Assim sendo, querer alcançar fama e glória é uma distorção mental, mas estar em uma posição em que a fama o acomete, não deixa de ser uma provação.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Nenhum homem tem uma capacidade criadora à cima do que foi e é criado pelo Criador. Ter um talento artístico exacerbado não confere a ninguém uma superioridade, qualquer que seja. Isto significa apenas fazer aquilo a que se propôs com o maior esmero possível. Shakespeare era um gênio? Não. Pois suas obras de maior alcance são baseadas nas estruturas simbólicas da bíblia. O que se pode dizer é que as obras de Shakespeare são geniais. As grandes obras são analogias da criação e as de maior alcance são as que menos mostram a assinatura, o estilo do artista e mais a forma estrutural de uma geometria sagrada. Perdemos a noção simbólica do sagrado. A arte sacara, ou seja, a arte com temática religiosa, não é a arte sagrada. A arte moderna é baseada na identificação psicológica. Costumamos endeusar o que achamos que tem a ver conosco (ou seja, com o nosso ego) e o que os outros dizem que é bom. Atualmente, pouco se sabe sobre o que é Ser Humano. Quem sou eu para dizer tal coisa? Alguém que não tem nenhuma capacidade especial.

8. O que é a arte para você?
A Arte é filha - histórica e logicamente - do Rito, este, dado a nós por Graça, não apenas para impedir que a Verdade destrua a criação - porque o Todo não cabe na parte - mas para prismá-la em feixes de todas as cores a fim de que a Luz, vestida de forma, penetre, fecunde e inspire a existência. O Rito é a língua que fala a Revelação ao coração dos homens, e a Arte, a verdadeira, é a sua singela resposta.

9. Quem te inspira? Por quê?
Inspiram-me os homens que atuam com disciplina em um caminho espiritual. Porque é um homem assim que quero ser. Inspiram-me também aqueles que se isolam profundamente na natureza. Ser solitário é um dom para poucos e os grandes espaços naturais conservam símbolos que a modernidade ainda não destruiu. Inspiram-me os Caipiras Mortos. O que é um caminho espiritual? É uma pergunta a ser respondida.

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
Estou sempre lendo Ibn Arabi, um místico sufi do século XIII. E agora leio a obra do Eric Voegelin que está sendo traduzida e editada com muito esmero pela editora “É-realizações”, fato raro no Brasil. Estou lendo também livros sobre a medicina chinesa.

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma idéia? Passo meses com a idéia se desenvolvendo em mim e poucos dias escrevendo. Escrever é dentro.

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
Pc e lápis e papel. Porque sim.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
Blog, porque é uma ginástica para a escrita.

14. Existirmos, a que será que se destina?
Ser Humano é conhecer.

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
Nem sempre, mas acho mais importante fazer o que se diz. Cumprir a palavra. Vivo tentando transformar meu discurso em verdade prática. Somos 70% teóricos e 30% práticos. Em poucos momentos estamos no presente. O animal racional quase sempre está com o corpo em um lugar e a mente em outro. Muitas vezes isto causa desarmonia.

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
Trabalho de madrugada, por que as fadas são mais generosas quando a atmosfera é mais onírica.

17. Qual seu site preferido?
Entro pouco em sites.

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
É.

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Não. Me incomodo que faltem críticos capacitados. Os critérios andam confusos.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
O novo é apenas o que está esquecido. Acredito que o antigo é o novíssimo e a novidade é sempre velha.

21. Drama ou comédia?
Tragi-comédia.

22. Houve algum momento que que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Estou sempre abandonando tudo. Sempre.

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Acredito que entre o mundo e A Providência, está o simbólico. Entre o corpo e o espírito está a alma. Entre a imaginação e a intuição está a razão. Entre o ego e o sujeito, está a linguagem. Simbólico, alma, razão e linguagem, são a mesma coisa em planos diferentes. Mundo, corpo, imaginação e ego também, assim como A Providência, o espírito, a intuição e o sujeito. O injusto se cria quando simbólico, alma, razão e linguagem querem se bastar a si mesmos, quando não exercem a função que deveriam, que é a de ser ponte e não fim. Quando o homem quer ser por si mesmo, eis o injusto, quando quer se conhecer, aí está A Providência.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Eu digo: sinto saudade de um presente mais atualizado com o espírito.

25. Os seus nervos são de aço?
Os meus nervos são de açúcar.

A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
Gostaria de ser aniquilado por Sua presença.


Como é seu local de trabalho?

Não trabalho sempre no mesmo lugar. Meu lugar de trabalho é dentro.

Sou nômade, inclusive dentro.


Obrigadíssima Leo. Me identifico com a resposta 20.


Conheçam mais sobre este Caval(h)eiro aqui. E vejam o trailer de O Nome do Cuidado (documentário) aqui.

Read more

João Menéres

1. Nome, idade e ocupação:
João Menéres, 74 anos (16.Novº.34) e um desocupado sem tempo para coisa alguma, já que em muitas tarefas me meto, depois de estar verdadeiramente afastado da Engenharia. A fotografia é um hobby que me leva a todo os lugares. Com a câmera e a maleta pesada não há cansaço que me alcance.Criei um blogue (http://grifoplanante.blogspot/) há dez meses e, desde então, nem tenho tempo para ler o Jornal, nem as revistas semanais que assino. Já para não falar da TV.

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
A Fotografia é um prazer que me tomou por completo em 1972. Ter ganho o primeiro concurso (e era de nível ibérico) em que participei talvez tenha contribuído para que o bichinho (que existia há anos adormecido em mim) se desenvolvesse e se afirmasse.No decorrer do ano passado, depois de comprar um computador Mac de 24", um Scanner EPSON V 700 PHOTO e uma impressora, também EPSON DX 8400, para digitalizar, tratar e arquivar o essencial do meu trabalho fotográfico de mais de trinta e cinco anos, fiquei verdadeiramente entusiasmado com a blogosfera (o primeiro blogue que me apaixonou foi a versão anterior do Picturapixel.Bloco de Notas, do Cláudio Versiani, reporter fotográfico de verdadeira dimensão internacional). Aí, tomei conhecimento do VARAL DE IDEIAS, de Eduardo P.L. (Não quero mentir, mas acho que o Eduardo descobriu um varal meu lá e postou-o no seu já citado espantoso blogue).Então, começou a minha última loucura! Em 15 de Novembro de 2008, iniciei o meu blogue sem que percebesse nada de nada, muito menos das ferramentas à minha disposição (e nessa situação me encontro ainda...), dado que nunca fiz nenhum curso de informática.A fotografia ficou um tanto a queixar-se e está amuada comigo. Quando me dá na gana, então, é na Fotografia que penso mas, sem que a blogosfera me saia do pensamento. Em média, estou mais de 10 horas por dia em frente ao "vidrinho", como lhe chama com ironia a minha mulher.

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
Na Fotografia, conhecendo as minhas limitações, considero ter atingido um patamar que nunca esteve no meu pensamento. Fui o primeiro português a ser convidado para expôr na Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), ganhei inúmeros concursos, tanto em Portugal, como no Estrangeiro. Realizei diversas exposições individuais, tanto em diversos países da Europa, África e no Recife. Dezenas de individuais aqui em Portugal e participei em mais de uma centena de colectivas de renome, tanto cá, como pelos mais diversos cantos do mundo. Actualmente, as participações, numas e noutras, são esporádicas e muito pontuais.Além disso, tenho dezenas de livros a que prestei colaboração significativa e uma meia dúzia em que sou o autor fotográfico. Destes, três são de minha própria iniciativa.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Embora não tenha estudos musicais, gostaria de ter sido pianista ou violinista.Não tendo o menor jeito para o desenho (ao contrário dos meus três irmãos), também gostava de ser Pintor.O gosto pelas coisas da Arquitectura é-me menos estranho. Tanto assim que contribui, de forma marcante, para a concretização da moradia onde resido.

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Coisas que eu não suportaria fazer? Tudo que não envolvesse Arte, Poesia, Natureza e Bem Estar, decididamente.

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Já não tenho idade para essas divagações. Os sucessos já alcançados em tantas áreas já me bastam.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Se os Génios existem? O do MAL, não tenho dúvidas. De onde vem a minha capacidade especial? Para o Mal? Abstenho-me de responder. Penso que a minha maldade não merece notícia.

8. O que é a arte para você?
Pergunta de difícil resposta para mim. Embora razoavelmente inserido no meio de Arquitectos, Pintores, Escultores, Compositores ou Solistas, Escritores ou Poetas, de cada um otenho uma definição sobre o que é a Arte. Tão díspares elas são, que conseguiram que cada vez esteja mais confundido. Do que me faz SENTIR, do que me agita por dentro e os meus olhos ou ouvidos se regozijam, considero ter Arte diante de mim.

9. Quem te inspira? Por quê?
A inspiração surge, se surge. Não a procuro. Mas, no subconsciente haverá sempre alguém que me dá fundamental ajuda.

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
No momento, estou a ler com toda a tranquilidade ISTO TUDO QUE NOS RODEIA, um livro que contém as CARTAS DE AMOR trocadas entre Mécia de Sena e Jorge de Sena.Não tenho um livro preferido entre os alguns milhares que ao longo de cerca de 60 anos fui comprando, abragendo múltiplas áreas.Do Policiário, à Poesia. Do Romance às Biografias. Da Filosofia ao de Viagens. De História às Monografias. Do livro Técnico a sei lá...Não posso indicar UM, tão pouco um autor.

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia?
Como não me dedico à Fotografia Criativa, não tenho resposta para esta pergunta. As únicas criações fotográficas que procuro manter e desenvolver, quando possível, residem na forma de olhar, de ver. Normalmente, tudo é um curto instante. O enquadramento nasce da mesma forma. E a escolha da objectiva é lógica. Por isso, não gasto muito tempo.Dou um singelo exemplo: Quando me parece que numa dada situação tenho a oportunidade de realizar uma imagem fotográfica, não ando ali às voltas em busca do "ponto". Estou já lá. Não pensem que isto é balela. Depois de realizar essa primeira, vou logicamente à procura de outras alternativas e faço os cliques à medida que julgo conveniente. Pois bem, em 98% dos casos, a melhor imagem fora realizada ao primeiro disparo.

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
Actualmente a escrita sai à medida do teclar no Mac. Também não utilizo o mouse. Tenho uma mesa BAMBOO FUN, da WACOM (com uma área útil de 14x22 cm) com uma drive.A técnica (Regina Barroso) que imprime as minhas imagens para exposições ou que me concretiza o tratamento mais exigente do photoshop é uma mesa destas que tem.Como o trabalho é executado sob a minha orientação e presença permanente, habituei-me de tal forma a este processo que me era já perfeitamente familiar. Nunca me preocupei em ir tentando aprender. Ela é a mão que eu oriento para o resultado que desejo.Claro que trabalho no photoshop mas de um modo que reconheço muito primário e de que não consigo atingir as potencialidades que, eventualmente, a imagem permitiria.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
A blogosfera preenche e ultrapassa em muito o tempo admíssivel. Recuso entrar no Facebook, no Twitter e por aí fora.
14. Existirmos, a que será que se destina?
Como sempre soube que não obtinha uma resposta dogmática, perder tempo com essa questão para nada serviria.Enquanto andarmos por este planeta, temos a obrigação, moral e cívica, de nos esforçamos por o não destruir e ajudar quem de nós precisa. E, às vezes, é tão pouco aquilo que de nós esperam...

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
O meu coração está na ponta da língua. Isso, tem-me causado dissabores ao longo destes já apreciáveis anos que desta vida aqui levo. No entanto, poucas seriam as palavras que, se reflectisse um momento, não teria pronunciado.Como Escorpião sou impulsivo. Diria, talvez, melhor: Sou franco, demasiado franco.

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?

Qualquer hora é boa para trabalhar. Tudo depende do que estou a fazer.Para dormir: deitar tarde e cedo erguer.Para ler: à noite, quando me deito.Para fotografar: Cada tema tem uma hora mais própria. Cada intencionalidade tem o seu tempinho.Para as refeições: horas mais ou menos certas. Excepto se estou a fotografar fora do Porto. Aí não há horas, por vezes, até me esqueço, caso esteja sem companhia.
17. Qual seu site preferido?
Site ou blogue? Site: o do Boletim Meteorológico. Blogue: Já estou tão aflito para conseguir excluir 14 para o BlogGincana, da dupla Eduardo P. L. / Jorge Pinheiro...Não me falem num, e só num, blogue preferido!

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
Vou falar da Fotografia apenas e, óbvio, a minha opinião pessoal:É indispensável, para ter algum sucesso, saber as regras de composição (comum a qualquer Arte). Mas aplicá-las sem ter que pensar nelas.Depois de isto se verificar, já podemos usar de uma liberdade muito maior.É conveniente (para nosso próprio benefício) conhecermos bem o que a nossa câmera nos oferece. Na Era Digital é incrível o leque que está à nossa disposição numa câmera semi-profissional, de preço acessível à maioria dos aficcionados, mesmo que alguns sacríficios tenham que enfrentar.Muita olhadela em revistas ou livros de Fotografia de qualidade.Praticar muito. Anotar tudo. Desde o sítio fotografado até os dados referentes à sensibilidade usada, á velocidade de obturação, à abertura, com que objectiva e distância focal fizémos determinada imagem e por aí fora.Em muitas câmeras digitais, vários destes dados ficam registados. Porém, quando passamos um cartão para um CD e libertamos o cartão, em princípio, não é mais possível retomar esses dados.

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
As críticas são sempre bem vindas. Não confundo com a vontade do bota-abaixo que é desprezível (poderia servir-me de um outro adjectivo que melhor traduziria o meu pensamento).

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Se o Sol está sob constante mutação, como é possível que, se tudo dele depende, se possa manter imutável?As experiências ( como tentativa de inovar) por vezes têm acontecido na minha vida, seja o aspecto que fôr considerado.

21. Drama ou comédia?
Drama? Já me chega a vida real à minha volta.

22. Houve algum momento que que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Duas vezes na minha vida profissional. Da segunda vez, estou muito arrependido. Mas já foi há três décadas...

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Nesse aspecto, sou mais do género de pessoa terra-a-terra.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Aí, sou "bigâmico". Tenho as minhas memórias e sou durito de roer.

25. Os seus nervos são de aço?
Os meus nervos de aço? Deixa-ma rir...

A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
A Terra é má, mas há lá tanta gente de quem não te despediste...Sempre te considerei um terrestre bem educado. Queres lá voltar para te despedires ? Não tenho grande pressa, por isso, faz tudo o que deixaste por fazer!

Como é seu local de trabalho?
Como é o meu local de trabalho? Estou reformado e tudo o que faço é divertimento. Mostro um dos recantos onde, antes de me envolver na blogosfera, lia e ouvia música.


Obrigadíssima João! Valeu a espera. Adorei o sotaque e em especial a sétima resposta.

Conheçam mais sobre este Senhor aqui.

Read more

Paula Marmontel Leite do Canto

1. Nome, idade e ocupação:
Paula Marmontel Leite do Canto. Aprendiz de joalheria.

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Fiz Desenho Industrial, trabalhei muitos anos com moda, onde aprendi a comprar e enxergar coisas boas e bonitas (diversas).
3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
De me tornar uma “craque” no assunto. Tanto no design, como nas técnicas, no conhecimento, parece pouco, mas tem muito chão.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Trabalhar na área de compras ou administração, até mesmo arquitetura ou decoração... Nasci para um monte de coisas!

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Ser “chef”.... odeio cozinhar!

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Não. Isso realmente não me preocupa. Se fosse pensar em voltar a trabalhar gostaria de ganhar dinheiro fazendo o que gosto.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Vou ser franca com você. Não sei se existe, e não tenho esse tipo de preocupação e pensamento. Admiro pessoas que se dedicam a alguma coisa, se empenham, mesmo que não se tornem “vitoriosos”...

8. O que é a arte para você?
Posso brincar? Uma bagunça.
Qualquer trabalho admirável, pra mim é uma obra de arte.

9. Quem te inspira? Por quê?
Coisas bonitas.... todas.... não precisa ser necessariamente ligada a jóias, cores também.

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
Não leio livro. Não tenho a menor paciência de ficar parada sem mexer com as mãos mais que 10 minutos. Entro em milhões de sites de revistas do mundo inteiro, em galerias de arte, revistas de moda, de arquitetura e decoração, sites de estilistas, museus,
dos países nórdicos tento entrar em tudo... é isso o que leio.

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia? Não tem regra, mas normalmente faço um esboço, quando vou colocar no “COREL”, mais técnico, já mudo um pouco.

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
PC e um pouco de papel. Entendo bem de computador e se eu não sei, aprendo. Adoro essa tecnologia. Leio o Help dos programas que instalo no meu PC, e aprendo sozinha.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
um pouquinho de Orkut e Facebook para me manter junto com meus amigos. Blog, de forma nenhuma, tem que dar atenção constante, sua vida para....

14. Existirmos, a que será que se destina?
sem a menor demagogia, ...a proporcionarmos tudo o que conquistamos aos que amamos. Isto pra mim é felicidade

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
Hoje com a minha idade, é. (tenho 51 anos)

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
Manhã. Cabeça limpa, descansada, as vezes silêncio...

17. Qual seu site preferido?
Varal de Idéias

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
Há. Não só na minha, acredito que em todas. Para ser bom, não adianta, pode ser criativo, ter capacidade especial, dom, etc... mas tem que trabalhar... e MUITO!

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Acho que não. Porque ninguém me supera, e quando não concordo não aceito e não dou bola.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Pra ser franca, acredito. Não sei se é porque pesquiso muito, e vejo muitas “criações” repetidas. Acho que existe experiência, troca de conhecimento, trabalho em cima de trabalho, novos materiais. Inovar, experimentar, isso sim.

21. Drama ou comédia?
Nem um nem outro. Policial ou documentário.

22. Houve algum momento que que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Não.
23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Acredito muito em energia. Das cores, do pensamento, das palavras... isso tudo tem muita força.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Hahaha, as duas frases. Quando me refiro a segurança, sito a 1ª, agora, ADORO essa modernidade maravilhosa.

25. Os seus nervos são de aço?
Eu tenho um limite bem grande. Passou disso, eu acabo com o assunto para o resto da minha vida.
A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
.... oi queridinha, tudo bem? Tem um monte de amigos seus com saudade, que não viam a hora de te abraçar.
Como é seu local de trabalho?

Obrigada Paula.

Conheçam mais sobre esta Senhora e seu trabalho aqui e aqui.

Read more

Luciana Botelho

1. Nome, idade e ocupação:
Luciana Botelho, 39 anos, atriz, coreografa, diretora, tradutora, fotografa, videasta, ou seja, curiosa profissional!!

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Durante muitos anos tentei entender porque faço o que faço e hoje, às vésperas dos meus 40, eu resolvi nao buscar mais razoes ou explicaçoes para a minhas escolhas profissionais e hoje mais do nunca elas me trazem uma enorme satisfaçao pessoal! Sofri bastante pois pensava que pluridisciplinaridade era scrizofenia! Hoje sei que é força, energia e abertura!! Entao, finalmente, começei a me divertir!!!

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação?
Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico? Nao quero chegar em lugar nenhum, quero estar aqui e agora e viver tudo intensamente sem pensar à longo prazo e muito menos nos resultados. Minha unica utopia hoje é a viver comigo mesma e com os meus. O resto é detalhe!!

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Acho que poderia fazer mil outras coisas. Nao compartilho a idéia de vocaçao! Principalmente quando vejo tudo o que ja fiz e que ainda tenho vontade de fazer. A unica vocaçao possivel é VIVER!! Todas as outras sao produzidas pelo nosso desejo e podem evoluir, mudar, voltar e partir à qualquer momento!

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Ficar parada esperando reconhecimento e nao tentar!!!!!!

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Não mesmo!! Atravessei o Atlântico, fui tentar a vida longe de tudo e de todos e hoje sei que fama e gloria é nome de novela das 8. So o que me interessa é o respeito e a admiraçao dos que contam para mim.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Sim, com certeza! E o mistério continua intacto! Ai mora a beleza do ser excepcional e gosto de pensar que esse mistério nunca sera revelado!

8. O que é a arte para você?
A arte para mim é a verdadeira zona franca onde toda troca e todo discurso torna-se possivel!

9. Quem te inspira? Por quê?
Todos o que trabalham com integridade e paixão!

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
Estou sempre lendo varias coisas ao mesmo tempo e ja pensando nos livros que me esperam. Amo literatura ao ponto de pensar, algumas vezes, que poderia viver de livros! Meu "menu" do momento é composto de "Beau rôle" de Nicolas Fargues um autor francês da nova literatura que gosto particularmente. Também "Millenium" a trilogia do sueco Stig Larsson que virou uma verdadeira coquelucha na Europa. "La solitude heureuse du voyageur" do imenso fotografo francês Raymond Depardon. E "Beautifull falls" da inglesa Alicia Drake um retrato incrivel de Paris nos anos 60-70 através do retrato cruzado de duas grandes figuras da moda Yves Stain-Laurent et Karl Lagerfeld. Quanto à questao do livro preferido, ela é um verdadeiro sofrimento para uma addicted como eu! Entao como nao vou aqui fazer uma lista sem fim, sempre acabo respondendo: a obra completa de Shakespeare que para mim encerra toda a historia da humanidade!

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia? Sou estudiosa por natureza mas as idéias vêem livre de julgamente ou de enquadramento. E tudo muito rapido e muito espontânio! A reflexao vem depois, quando tudo ja foi feito.

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
MAC, MAC, MAC!! Acabo de entrar para o maravilhoso mundo de MAC apos passar 20 anos me alugando num PC! Tudo é tao mais fluido e instintivo justamente. E ludico!! Mas também lapis e papel! Sou uma apaixonada por papel e ainda sofro com o fato das pessoas nao se escreverem mais. De qualquer forma, sempre começo no papel, o computar é a ultima etapa. Tenho coleçoes de cardenos de todos os tamanhos e cores cheios de notas de viagem, de trabalho, de vida! Adoro!!!

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
Tudo! Porque sao espaços de troca como qualquer outro. Porque esse papo de criticar internet é muito chato e impafioso.

14. Existirmos, a que será que se destina?
A ser feliz, tout simplement!!!!

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
Sim! E paguei caro por esse reflexo que assumo com orgulho!

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
Adoro a noite! Porque as convençoes sao caracteristicas do dia. A noite é espaço de vampiro, de boêmio, de excêntricos e gosto disso!

17. Qual seu site preferido?
Nao tenho nenhum site preferido.

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
E necessario muita curiosidade, generosidade e ousadia! That's all!!!

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Nao porque nao suporto hipocrisia, prefiro todos os que exprimem o que pensam realmente.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Todo dia tem algo de novo sob sol! Que pretensao é essa de achar que tudo ja foi feito, é mentira, experimentaçao e inovaçao nao tem fim!

21. Drama ou comédia?
Drama, of course!

22. Houve algum momento que que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Varios. Minha vida profissional é uma parodia da cançao de Gainsbourg "Je t'aime, moi non plus"!!haha!!Ja abandonei algumas vezes, acabo de reatar e o futuro ninguém sabe!

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Confesso que é um assunto que nao me intriga.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Os dois! Sou nostalgica e futurista com a mesma intensidade!

25. Os seus nervos são de aço?
Que nada!

A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
Bienvenue ma chérie! Fais comme chez toi!

Como é seu local de trabalho?


Obrigada Lu! Ótima a resposta 15...um dia chego lá!

Conheçam mais sobre esta Mademoiselle aqui. Ela também está no Orkut.

Read more

Juliano da Natividade

1. Nome, idade e ocupação:
Juliano da Natividade, 19 anos, estudante de economia.

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Faço porque é preciso e sinto que será bom algum dia, vejo-me fazendo isso, não sei porquê, mas vejo. A satisfação, estudando, ainda não a encontrei, estou me sentindo um peixe fora d’água, mas me falaram que isso é normal, que depois me encontrarei... espero que isso seja verdade.

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
Dentro da economia, desejo desenvolver algo que faça bem para mim e para os outros, algo que seja saudável para todos, não um sistema econômico, porque um sistema é simplesmente o resultado do que somos, e eu iria cair no grande erro de todos os revolucionários, que tentaram impor algo que não fazia parte da consciência de todos, pois tudo que posto de fora para dentro gera conflito, e disto já estamos cheios... mas, é isso, tentarei encontrar ou trabalhar com uma maneira equilibrada de desenvolvimento qualitativo para todos os envolvidos.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Ih, acredito que poderia ser nutricionista, aliás já pensei em trocar de faculdade algumas vezes. Acredito na vocação, sim... porém isso não é a condição para você “ser” algo, pois basta querer... mas que tem gente que nasce para ser àquilo, tem.

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Não suportaria fazer algo em que eu não me sentisse bem. Político seria um grande exemplo, nada contra, mas eu não seria.

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Não, ser O melhor é se comparar com alguém e dizer que é superior, e não curto muito isso. Fama e Glória? Depende, se isso for necessário para que meu trabalho tenha um feedback profissional e financeiro, talvez sim.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Gênios de alguma coisa, sim, pois Albert Einstein existiu. E minha capacidade especial... Que capacidade?

8. O que é a arte para você?
É uma expressão de símbolos, que muitas vezes faz sentido para quem a fez, mas permite que os outros, também, criem seus significados e entendimentos para o que estão vendo, ouvindo ou tocando... Por isso ela se torna infinita.

9. Quem te inspira? Por quê?
A Terra. Porque ela é o significado de toda nossa existência, representa a vida e ao mesmo tempo é “apenas” um pontinho cósmico no meio do universo, é tudo e nada ao mesmo tempo.

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
A Primeira e Última Liberdade (J. Krishnamurti). Não tenho biblioteca.


11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia? Ele é instantâneo, a mente deve estar livre de qualquer idéia, pensamento ou memória ativa, pois, se não ele será um processo não criativo, será apenas uma mera exposição “diferenciada” da nossa mente, e isso não é criar, é repetir.

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
PC. Porque é uma Pu** Coisa inventada pelo homem.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
Orkut. Porque é mais completo e foi um dos primeiros que mais colou, antes tinha o blog e fotolog, só que exigiam uma atualização constante, além de serem modalidades mais rígidas, pois é sempre uma voz ativa que mostra algo e os “leitores” analisam, alguns comentam, outros não fazem nada, e ficava sempre aquela coisa monótona (nada contra, tem blogs ótimos, como este...), mas daí inventaram o Orkut que dá para saber da vida de todo mundo, pelo menos dava até eles começarem a limitar, permitindo que o usuário bloqueie algumas fotos, utilize alguns filtros, etc... vai entender, o objetivo era uma rede de relacionamento aberto... mas daí ficou uma rede aberta meio fechada... não entendi mais nada. Mas, de uns tempos para cá começaram com estes outros, Facebook, Twitter e mais uns quantos, porém prefiro ficar com uma coisa só, o Orkut.

14. Existirmos, a que será que se destina?
Tentei copiar alguma resposta anterior, mas não encontrei o que poderia significar isso. Sorry, não fica feio não ser erudito, né?

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
Penso tantas coisas que não digo. Digo tantas coisas que não penso.

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
Das 13h30 às 20h. Porque de manhã usaria para ver a vida como deve ser vista e a noite para relaxar e fazer o que deve ser feito.

17. Qual seu site preferido?
Orkut.com. Não diria preferido, mas é o que eu mais acesso (é o que faço, quando sento no PC, depois de entrar no MSN, é claro).

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
Estudar serve para isso.

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Gostar, acho que ninguém gosta, mas eu utilizo muito o que surge com as criticas, aliás, eu sou o meu maior criticador, insuportável as vezes.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Tudo é um processo de experimentar, nascemos nus sabendo somente uma coisa, rir. Espero que todo o resto surja experimentando e inovando, mas que no final reste pelo menos o sorriso.

21. Drama ou comédia?
Comédia.

22. Houve algum momento que que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Aham. Passei por isso há alguns dias. É tão bom! Dá um alivio. Você se sente perdido, normal, estamos meio condicionados ao que vivemos e quando começa algo novo ou diferente nos sentimentos perdidos, mas o importante é poder recomeçar.

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Acredito, esse corpo nos é emprestado, é usado por um fragmento de tempo e depois é devolvido a mãe terra, mas a alma é eterna.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Não digo, já falei, mas por mera repetição. Nostalgia é estranho... sentir saudades é normal, mas acho que só serve para demonstrar que valorizar o agora é o mais importante.


25. Os seus nervos são de aço?
Não, cartilagem, com grande facilidade de adquirir tendinite.


A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá? Independente da idéia de que Deus seja um homem (Homo sapiens) ou não, desejo não ouvir, mas ter uma sensação boa, de continuidade.


Como é seu local de trabalho?

obrigada Juh. Bonita a resposta 9.
Conheçam mais sobre este Moçoilo lá na UFSC, cadeira de Economia. Ele também está no orkut e tem muitas fotos divertidas lá.

Read more

Luis Alberto Foca Cruz

1. Nome, idade e ocupação:
luiz alberto cruz, foca, 45 anos. desenho
2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
inexplicavel: é ao mesmo tempo a diversão, o ganha-pão, o passatempo, o estudo, a terapia, o orgulho pra se pavonear de vez em quando. é um oficio desde criança pra mim, sempre soube que iria desenhar a vida toda independente do que, mas era com desenho.

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
milhares de dólares do bolso. daí é só escolher o que fazer. mas pode ser vender desenho na feirinha ao ar livre num balneário do sul sem problemas.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
construtor de carros de corrida.

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
vendedor.

6.Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
transcender apenas de um desenho melhor para outro melhor ainda. fama&glória é aquele diabinho que a gente guardou no bolso de alguma jaqueta usada pra ir em uma vernissage em algum inverno passado e que bebemos demais.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
existem sim. alguns vem de um cerebro previlegiado, como alguém que nasceu com um figado bom para bebida, alguns nasceam pra pensar, como mozart, einstein por exemplo, já outros juntam q.i. com raciocínio, influencia do meio e tempo em que vivem e usam isso como uma boa ferramenta tal como hitler. lula é um bom exemplo de genialidade da esperteza

8. O que é a arte para você?
o final do arco-íris. dizem que tem um potinho de ouro lá...

9. Quem te inspira? Por quê?
ultimamente o dr. house... rerere... mas no mundo terreno tem um escritor americano falecido em 89, chama-se Robert A. Heinlein que é genial. Ele que inspirou muito do movimento flower/power nos anos 60 com um livro chamado Um Estranho numa Terra Estranha, (ver David Bowie no filme O Homem que caiu na Terra) que nada mais é do que a vida de Jesus Cristo visto pela ficção científica. ducaralho. mas também porque o cara foi um verdadeiro macunaíma, a filosofia dele era ganhar a vida pelo jeito mais fácil: usando o cérebro! nada nada ele ganhou 4 premios nébula, o nobel dos livrinhos de bolso mas que paga um premio de 4 vezes maior... além de ter inventado a publicidade e os negócios imobiliários como vemos hoje. tem um conto dele em que ele descobre um meio real de tomar posse e vender a Lua como se fosse um outdoor. na época deu um tumulto diplomatico que só parou numa conferencia especial na ONU, porque o que acontecia no livro era realmente possível, pois havia uma brecha dentro das leis territoriais internacionais que permitiria alguem jurídicamente tomar posse da lua, isso já nos ano 60, em plena guerra fria!! genio esse cara. a autobiografia dele chama-se Não Temerei o Mal

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
livros de sangue, de clive barker, uma coltanea de contos fantásticos e terror e relendo um ensaio de paleontologia de stephen jay gould chamado vida maravilhosa. mas o que não pode faltar na cabeceira é minha coleção argonauta.

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia? primeiro, pressinto algo, depois as imagens se esgueiram e eu tenho que segui-las feito um "Snaporaz" do filme "Cidade das Mulheres" pululando atrás das dobras do meu cerebro. daí pra frente é deixar a mão guiar. já em trabalhos comerciais eu troco o semi-heroi felliniano por algo mais objetivo...

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
pc forever. por ter começado computação gráfica no tempo que só existia tela preta com as letras verdinhas, meu lado nerd gostou de montar e desmontar as engenhocas, até porque pra se fazer animação por computação grafica no brasil a preços acessíveis nos anos 90, tinha que entender de equipamentos, linguagem e eletronica. alem do que os macintoshes sempre foram bons de imagens mas péssimos de 3D, tipo de calculo que os PCs bombam. daí me apeguei. agora, antes de tudo e principalmente antes de abrir o photoshop, lápis e papel sempre. sem eles não há maquina que ajude.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
o blog tem sido mais facil e acessivel e tem um alcance muito bom. o resto acho muito gay. penso assim, se quiserem me achar, vão no google, essa é a ideia.

14. Existirmos, a que será que se destina?
tudo se transforma. num certo momento, viraremos de sólidos pra liquidos, depois gasoso. essa é a verdadeira transcendencia, depois que morre, a gente se transforma nos 4 elementos...

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
não.

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
das tres, quatro da tarde até muito longe na noite. porque não sei!...

17. Qual seu site preferido?
no google books tem um link pra ler em pdf todas as edições da revista Popular Mechanics publicada desde 1900. é meu passatempo na internet ultimamente: http://books.google.com/books?id=dtgDAAAAMBAJ&hl=pt-BR

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
muito. e observação.

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
não.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
sou meio ranzinza mas experimento sim, afinal quem não arrisca não petisca. mas primeiro ponho o só o pezinho, se for bom...

21. Drama ou comédia?
pode terror?

22. Houve algum momento que que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
sempre!

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
não.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
adoro dizer isso!!!

25. Os seus nervos são de aço?
gosto de pensar que sim...

A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
- foca!!!... você aqui?!!!... mas quanto teeeeeeeeeemmmpoo.....

Como é seu local de trabalho?

Obrigada Foca. Tantos novos livros que vou depois de hoje.
Conheçam mais sobre este Senhor aqui e aqui.
Read more

Chico Nogueira

1. Nome, idade e ocupação:
Chico Nogueira, 55, ator, diretor, sonoplasta, fotógrafo, professor, tradutor, locutor...

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Vontade de me expressar, de exercitar as palavras, a fala, o corpo, o intelecto e, logicamente, me inserir no mundo.
A satisfação maior, com certeza, é do espírito, já que grana dá muito pouco se você não faz televisão, não é?

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
Ser um artista popular e disputado, como, por exemplo, Paulo Autran foi e Marco Nanini é. Chegar a um patamar onde pudesse fazer só o que gosto, ganhando o suficiente para não mais sofrer sobressaltos.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Eletrônica, talvez, já que adoro montar e desmontar aparelhos de som e vídeo. Acredito muito em vocação, sim! É o que segura as barras difíceis da vida e faz a gente ir em frente.

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Ser bancário até o fim da vida. Larguei dessa profissão com quase12 anos de casa.

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Sim, acredito que todo artista busca isso. E, logicamente, ser notado, ser reconhecido, ser prestigiado, ser bem remunerado. Penso que fama e glória podem ter as suas vantagens, mas também penso em como sua vida particular fatalmente vira pública. E, convenhamos, não há nada como ter liberdade...

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Acredito, sim! Mozart, Picasso, Dali, Olivier, Jobim, Shakespeare foram gênios. E outros tantos foram ou são! Minha capacidade... não sei bem, mas sempre me esforcei muito para suplantar as dificuldades, por exemplo, de ter nascido em uma família simples. Cheio de idéias e vontades, com uma cabeça boa e com muito bom-humor, fui sempre atrás das coisas, e, sempre buscando não ferir ninguém, fui pulando obstáculos pela vida afora.

8. O que é a arte para você?
Aquilo que vem da inspiração das pessoas, da vontade de se expressar, de colocar seu ponto de vista, seja pelo belo, seja pelo crítico, etc.e tal.. Arte, para mim, é algo feito para - emocionando ou não - sempre nos “tocar” de algum modo.

9. Quem te inspira? Por quê?
Tom Jobim, Mozart, Shakespeare, Bob Fosse, Paulo Autran, Marco Nanini. Porque sempre senti nesses artistas uma vontade imensa de dividir seus sentimentos, mostrar sua generosidade e seu interesse pelo ser humano.

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
Por força do trabalho, lendo os roteiros de um programa educativo que vou começar a gravar na próxima semana em SP. Meu livro preferido, sei lá... Mas tenho um carinho muito especial por “Dinorah”, do Dalton Trevisan. Acho que porque está autografado pelo autor. Me orgulho disso!!!!

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia? Sou muito racional. Se tenho tempo hábil, busco ler muito e muito e ouvir muito e muito também. Uma idéia em desenvolvimento... bom, para mim, depende, da rapidez com que sou solicitado. Busco, tanto quanto possível, não me apegar demais a certas coisas – ao contrário do meu apego apaixonado às pessoas! Em outras palavras, fujo do sofrimento inútil.

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
PC, porque já estou muito acostumado a ele.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
Estou em três desses sites de relacionamento. Gosto desse modo “moderno” de dizer “oi” às pessoas do mundo inteiro, embora continue achando que nada substitui o contato pessoal! Não tenho saco para escrever em blogs e coisa e tal. Mas leio os dos amigos e de jornalistas que me interessam.

14. Existirmos, a que será que se destina?
“O amor é a única razão da vida”, alguém já disse. Eu concordo – em número, gênero e grau.

15. Lo que dices y lo que piensas, es lo mismo?
No es lo mismo pero es igual.

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
Em casa, prefiro que seja à noite, quando as pessoas “normais” dormem, o telefone não toca, essas coisas. Fora, se não me ocupei de nada pela noite adentro, prefiro as manhãs, quando o cérebro está mais descansado.

17. Qual seu site preferido?
Nenhum em especial, mas leio uma porção – de notícias e de humor, principalmente.

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
Com certeza! Com arte, aprimoramento é fundamental, é sempre necessário!

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Fico preocupado quando não criticam. Mas, graças a Deus, não sou ególatra e sei bem distinguir o elogio verdadeiro do falso, a crítica construtiva da odiosa. É um aprendizado conviver com as diferenças de idéias.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Como Lavoisier, acredito que tudo se transforma. Pela minha grande curiosidade – sempre fui assim -, adoro transitar por vários territórios da arte. Como ator ou diretor, por exemplo, fico feliz de não me ater a nenhum gênero, a nenhum autor, a nenhum diretor. Adoro um grande drama e também uma comédia rasgada. Faria, com muito prazer, um texto do Botho Strauss e um do Dario Fó; seria dirigido (se eles quisessem, óbvio), por Cláudio Botelho ou por Peter Stein. Variedade é fundamental , para não se ficar bitolado, preconceituoso e mau-humorado.

21. Drama ou comédia?
Ambos. E se estiverem juntos, melhor ainda!

22. Houve algum momento que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Sim, quando saí do banco, depois de quase 12 anos ali trabalhando.

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Tenho cá minhas dúvidas, como qualquer mortal. Mas, com certeza, penso sempre na existência de um ser superior. E agradeço a ele a minha existência e as coisas que tenho recebido.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Normal fazer comparações, não? Embora não viva no passado, gosto sempre de lembrar com carinho de tudo por que já passei, mesmo os maus momentos, pois, de uma forma ou outra, acabaram, junto com os bons, forjando o meu caráter.

25. Os seus nervos são de aço?
Às vezes. Mas, sentimental que sou, derreto-me muito também.

A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
“Ih, volta lá pra baixo! Ainda não era sua vez!” Bom, acho que ele já me disse isso antes – em, pelo menos, duas oportunidades. Agradeço muito, inclusive!

Como é seu local de trabalho?
(o local de trabalho dele é o palco, e ele respondeu que era uma bagunça arrumadinha)
CHICO E MICHELE - HITCHCOCK BLONDE (2009).
Obrigada Chico. Conheçam mais sobre este Senhor no Orkut e Facebook.
Lá verão muitas fotos dele em espetáculo ou de sua autoria. Comprovem como foi bom termos menos um bancário neste país.
Read more

Sydney Michelette Junior

1. Nome, idade e ocupação:
Sydney Michelette Junior, também Juca, Caju, Xuxu ou Syd, depende de quem chama. 44 anos confessos e também para efeitos civis legais. Antes da barba, que deixei crescer esse ano (2009), achavam que eu tinha uns 33 no máximo, donde concluo que não casar pode ter suas vantagens, já que todos meus amigos casados da mesma idade parecem ser mais velhos, e que a barba me emprestou uma certa dignidade de senhor que aparenta a idade que tem. Tenho me ocupado de muitas coisas: já dei aula de matemática, piano e violão; já fui pianista em restaurante árabe; me formei e trabalhei um pouco com arquitetura; fui fazer Desenho Industrial e Licenciatura em Desenho e, ao mesmo tempo, fui me especializar em Restauro e Conservação de Sítios e Monumentos Históricos; voltei pro desenho industrial, ou seja, hoje me ocupo com design, especialmente livros - edição, capas, ilustrações – e faço eventualmente alguns trabalhos como arquiteto.

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Sabe aquela velha estória de que se parar de pedalar a bicicleta cai? É por aí, vou pedalando. A satisfação talvez esteja em pedalar/trabalhar sempre, no meu ritmo, ou no ritmo que me permite o caminho/trabalho. Dá pra ficar em forma no que faço, apreciar a paisagem... É um cansaço prazeroso.

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
Acho que na área em que atuo o trabalho em si já é tão utópico! O que quero dizer é que nem sempre o que imagino ou crio é, ou pode, ou será materializado; geralmente as restrições são de ordem financeira, mas isso faz parte. Então fico feliz quando o trabalho realizado/finalizado cumpre o seu objetivo. Chegar ao término do trabalho já é em si, uma tremenda realização. O bom é que “o que poderia ter sido permanece eterna possibilidade” (T.S. Eliot). Além do que, tudo que chega a um limite – ao seu máximo – a tendência é se reverter. A queda é proporcional a altura em que se está. O que se faz depois do máximo? Acredito que a “excelência” do fazer não é um objetivo em si, mas um método que devemos colocar em tudo o que fazemos, na medida em que nos é permitido. Utópico mesmo seria flanar sem culpa alguma, mas acho que chegaria um momento em que isso também seria um tédio.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Acho que minha vocação é fazer tudo, ou fazer qualquer coisa, desde que seja uma opção minha, não imposta, embora a vida imponha algumas coisas. Sou curioso por natureza, posso ficar angustiado quando não compreendo algo, preciso saber das coisas, ainda que não as utilize na prática. Talvez por isso o desenho industrial seja a profissão onde mais me encontrei: no desenvolvimento de produtos industriais, cada projeto é um novo aprendizado; já desenhei escova de dentes, sapato/cintos e bolsas, frasco de perfume, elevadores, luminárias, móveis, instrumentos cirúrgicos, compressores de ar, acessórios para banheiro, utilitários de cozinha...

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Vender, qualquer tipo de venda. Seria um péssimo vendedor, no sentido de ter que influenciar pessoas para adquirir alguma coisa. Talvez porque não gosto de me sentir pressionado quando pretendo comprar algo. Sou daqueles que ou namoram tempo antes de comprar ou então o contrário: compro logo a primeira vista se a coisa me agrada.

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Acho que no fundo todos guardamos o desejo ou mesmo a necessidade de sermos reconhecidos, bem reconhecidos – é bom ressaltar, por aquilo que fazemos. Mas isso não é uma preocupação, não é um objetivo em si. Se acontecer, melhor, sinal de que o trabalho foi bem realizado e vale ser lembrado, caso contrário, melhor que caiam no esquecimento, ou melhor permaneçam enquanto fazem algum sentido. Quantas famas e glórias não foram ou são construídas com um bom trabalho de marketing em cima de um péssimo trabalho? Dispenso esse tipo de glória ou fama.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Com certeza existem, e com certeza não sou um deles. Capacidade especial? Não sei se minha capacidade é especial, diria mais que ela é ampla e genérica, o que não significa em absoluto que seja bom em tudo que faça, mas tudo o que faço procuro fazer de forma íntegra. É horrível quando me sinto um charlatão no que estou fazendo.

8. O que é a arte para você?
A melhor definição de arte que já escutei é a do Benedetto Croce (acho que é dele a definição): Arte é tudo aquilo que os homens chamam arte. Gosto de ler sobre, e como diversos artistas definem, arte. O livro Desconstrução do Pai, Reconstrução do Pai, da escultora Louise Bourgeois, aquela das aranhas gigantes, sobre seu processo criativo, é algo incrível de se ler.

9. Quem te inspira? Por quê?
Melhor que quem, talvez seja “o que” me inspira: o mundo, tudo! Ver é tão bom, escutar, cheirar... Já pensou em perder um dos teus sentidos? Estou ficando surdo, de verdade, esse processo começou faz uns 5 anos, hoje tenho 40% da capacidade auditiva. Incrível como esse fato muda a ordem das coisas, a forma como você se relaciona, seja com as pessoas ou com tudo ao seu redor. Tem seus prós e contras, como tudo na vida. Lembra a cena do filme Dançando no Escuro, quando a Bjork faz do barulho do duto de ar a sua companhia, porque não consegue ver?
Então eu digo: a inspiração está em nós e no que nos cerca. Posso admirar e admiro o trabalho e o fazer de outras pessoas, mas não diria que isso seja uma inspiração. Antes agradeço por sentir a coisa feita.
Clarice Lispector tem uma colocação bem interessante sobre algo parecido: numa de suas crônicas do Jornal do Brasil, década de 60/70, ela diz que assistiu a um filme no cinema, que não entendeu nada, mas sentiu tudo. Ela se questiona se seria o caso de assistir novamente ao filme, e conclui que não, porque talvez ela possa entender tudo e não sentir nada.

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
Acabei de reler O Evangelho Segundo o Filho, de Norman Mailer e O Paraíso Perdido, de Cees Nooteboom. Acho que o livro que mais reli da minha biblioteca é Peças em Fuga, da Anne Michael, poético demais e um dos meus preferidos com certeza. Tem também O dia do Casamento, do John Berger, que sempre releio.

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia?
Diria que é constante, pelo menos mentalmente constante. Posso não estar fazendo na prática, mas o trabalho está lá, pendurado na cachola. Quanto tempo? Pode ser rápido – pequeno milagre que às vezes acontece – mas no geral esticam até minutos antes da forca: tipo fale agora ou cala-se para sempre, sabe como é? Até o momento tenho tido muita sorte e pouco juízo nesse aspecto.

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
O começo é sempre no lápis e papel, quer dizer, vezenquando a criação começa digital, mas ainda sou daqueles amamentados profissionalmente antes de existir o computador. PC, pra finalizar o trabalho, porque fui informatizado por ele; MAC naquela época era algo inacessível. Hoje não uso MAC por comodismo, preguiça ou falta de tempo ou curiosidade para migrar para outra plataforma de trabalho.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
Blog já fiz várias tentativas, não sou metódico, desisti. Orkut foi o primeiro, então mantenho, desleixado diga-se. Facebook comecei “obrigado” por um amigo com quem falo virtualmente há 5 anos, apesar de morarmos na mesma cidade e nos conhecermos pessoalmente. Vício de profissão, já que tudo começou nas longas madrugadas que cada um varava fazendo seus próprios trabalhos, pedindo opinião alheia, já que às 5 da manhã teu senso crítico está zerado. Twitter? Só ouvi falar e vi de passagem, aquele passarinho é bem maneiro. Por que o quê mesmo?

14. Existirmos, a que será que se destina?
Pergunta pra minha mãe, que foi onde tudo começou. Ah Vanu, isso tem cara daquela velha pergunta da CL: Ser feliz é pra conseguir o quê? O quê que se consegue quando se fica feliz. Existimos pra sermos felizes, o que em si já é um fato consumado: Existo, logo sou feliz. Nossa, estou parecendo um compêndio de auto-ajuda! Mas é por aí. Para saber mais sobre isso ou essa teoria ou postura de vida, recomendo que leia André Comte Sponville, em especial os artigos do livro “Bom dia, angústia”. Bom demais!

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
Não mesmo! Penso muito, falo pouco, e quase sempre o que falo não quer dizer o que penso, ou pelo menos o que sinto, a não ser quando falo palavrão, o que é raro, mas quando sai é sincero, entoces...

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
No momento escolhi que é à tarde, depois do almoço.
Acordo às 7 amanhã, tomo café, brinco com a gata – bicho mesmo -, vou malhar, depois correr na praia, mergulho no arpoador, banho, escovar a gata, almoçar, trabalhar. Não levo trabalho pra casa.

17. Qual seu site preferido?
itau.com.br, com ele nunca mais fui ao banco, tanto que depois de 10 anos morando no Rio, minha conta ainda é numa agência de Curitiba.
Não sou apegado a nenhum site; abro diariamente o UOL pra ler notícias, Orkut pra falar/responde a algum amigo. Já fui viciado no site de postar fotografias Tabblo.com, e recomendo para quem gosta de fotografar ou fotografia; acompanho vezenquando os sites sobre design Usabilidoido.com.br e Bemlegaus.com pela profissão, e estou sempre fuçando coisas na net.
Se for pra recomendar: http://bibliodyssey.blogspot.com/ um site com coisas pra lá de bacanas

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
A parte técnica fica a cargo de aprender informática, já que é praticamente impossível exercer a profissão de designer sem usar o computador. Se não for você pessoalmente usando, com certeza vai ter alguém fazendo por você. E desenhar, a prática do desenho a mão livre não deixa de ser um treinamento técnico também.

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Nem! Mesmo porque não tenho pudores em fazer o mesmo com o trabalho dos outros. Prefiro a palavra analisar, ou invés de criticar, sem nenhum eufemismo aqui, ok?!
Isso é particularmente exercido na profissão e no dia-a-dia do designer. Faz parte do métier, você está sempre analisando as coisas, o uso, a apropriação do produto, a proposta. Isso vai de encontro a questão que coloquei na pergunta da realização profissional: você faz o que pode ou dá, nem sempre o que quer.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Nada se cria, tudo se copia? Ou melhor seria, nada se cria, tudo se descobre.
Isso lembra Caetano:
E aquilo que nesse momento se revelará aos povos

Surpreenderá a todos, não por ser exótico

Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto

Quando terá sido o óbvio


Quantas vezes não nos perguntamos: como é que não pensei nisso antes? quando vemos algo novo?

21. Drama ou comédia?
Melodrama sempre! Bem grande! Tipo enfiar o pé na jaca mesmo, que de tão dramático chega a ser cômico: quer coisa melhor do que isso? A catarse no final é algo que não tem preço, cura qualquer resquício de mesquinhez ou amargura e te traz de volta ao tamanho real e beleza das coisas.

22. Houve algum momento em que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Vários momentos, não só dito como feito. Penso muito e falo pouco, mas quando falo, boto em prática.

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Como não? Acho que foi o Mário Quintana quem disse ou escreveu que “alma é essa coisa que nos faz questionar se ela existe...”
Já fiz terapia de regressão, projeção de corpo mental, sinto quando tem encosto no meu cangote. Acredito que existem bandas de energia, boas e ruins, depende de onde você sintoniza ou se deixa sintonizar ou captar.
É algo que, independente de crer, tem que vivenciar para realmente passar a acreditar. Repare que crer é diferente de acreditar, dar o crédito. Só posso dizer que minha experiência com a regressão e projeção foi física o suficiente para me fazer acreditar na materialização da energia.
Essa questão me parece bem colocada (os grifos são meus) quando o filósofo Ficino discorre sobre a alma:
(...) acima daquilo que flui limitado pelo tempo (o corpo) está aquilo que subsiste por todo o tempo (a energia que mantém o corpo íntegro), e que ainda acima disto está aquilo que subsiste pela eternidade (nada se perde, tudo se transforma), ou seja, acima do tempo está o eterno. Mas, entre as coisas que são apenas eternas (energia) e as outras que fluem apenas no tempo (o corpo), temos a alma, que é uma espécie de ligação entre as duas esferas. (...) A alma, com efeito, é imóvel e móvel. Por certo instinto natural, ascende para coisas superiores e desce para as inferiores. E, enquanto ascende, não abandona as coisas mais baixas, e, enquanto desce, jamais deixa o divino.

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Vivo dizendo os dois, com uma certa tendência a nostalgia mesmo. Acho que nasci na época errada, melhor dizendo, acho que me daria bem se vivesse na época dos homens das cavernas: sou totalmente bicho carpinteiro, gosto de fazer e consertar tudo e há quase dois anos não ligo televisão em casa.

25. Os seus nervos são de aço?
Ah, devem ser de elásticos, são flexíveis, extensíveis, às vezes arrebentam, mas tem alta capacidade de regeneração.

A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
Acho que antes dele dizer qualquer coisa eu é que diria:
Nossa! Finalmente nos conhecemos pessoalmente!

Como é seu local de trabalho?

Obrigada Juca. Gosto muito da resposta 14 e 17.

Conheçam mais sobre este Senhor aqui.

E aqui, aqui, aqui, aqui E aqui.

Read more

Vanessa Agricola

1. Nome, idade e ocupação:
Vanessa Agricola, 30 anos, Publicitária, Roteirista, Titia favorita.

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Tem um dito: "Felicidade dividida é o dobro de felicidade. Tristeza dividida é metade da tristeza". Acho que é por aí.

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
Sabe quando você contempla alguma coisa, qualquer coisa, e então alguma coisa em você muda? Quero fazer alguma qualquer dessas. Será o máximo.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Ainda não tenho uma ocupação só. Agora mesmo estou buscando mais uma, como tradutora. Preciso de espaço, independência, silêncio... escrever me permite tudo isso. Talvez tocar violão, mas não tenho o dom. Acredito na vocação.

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Política.

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Me preocupo em finalizar esse projeto. E que fique bem feito. E que demais projetos vinguem. E que venham outros... Na minha pirâmide de Maslow transcender está lá pra cima. Fama e glória também.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Aos montes! Minha lista é interminável, vai de Fellini à Daniel Filho, o gênio na arte de fazer dinheiro com a Glória Pires. A capacidade do Fellini eu acho que veio de Deus, a do Daniel eu não sei não.

8. O que é a arte para você?
...O registro de um sentimento humano? Obra-de-arte é registro histórico.

9. Quem te inspira? Por quê?
Os homens. Por causa do amor ♪

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
O último da trilogia Aghora, The Law of Karma. Não leio tanto, chega me dar vergonha, mas do que li, Manuelzão e Miguilim li e reli. Sei de cor as falas do Tio Terêz, do Dito, de Mãe... Sou fã do Guimarães Rosa, palavras tão simples. Faz parecer tão fácil.

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma idéia?
Acontece. Uma conversa na fila da padaria me rende que é uma beleza. Gosto de escutar as pessoas, também sou voyeur, coloco óculos escuros e fico de butuca. Não crio, copio. O tempo todo.

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
Mac. Porque se fosse líquido eu bebia.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
Blog. Fotolog só na outra vida. Orkut passou. O Facebook já é quase um Twitter.

14. Existirmos, a que será que se destina?
To be or not to be...

15. Lo que piensas y lo que dices, es lo mismo?
Quem, yo?! Eu devia vir com tecla SAP.

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
De tarde em diante. É quando eu acordo.

17. Qual seu site preferido?
Ai, não sei preferir.... Wikipedia? O preferido de hoje foi esse http://natural-selecao.blogspot.com/ e esse aqui http://desiretoinspire.blogspot.com/, cheios de lindezas.

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
Algumas pessoas dizem que não precisam. Eu preciso. Estudar, treinar, saber as regras. Criatividade eu acho é instinto, escrever não. “Escrever é reescrever”, regra numero 1.

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Tenho três tipos de críticos. Têm os amigos, com quem eu trabalho, e os clientes, pra quem eu trabalho. Dos amigos eu imploro por críticas, só me ajudam. Os clientes não me criticam, me obrigam a digitar palavras, substancialmente, nem sei o que significam. O terceiro crítico sou eu. Ninguém me azucrina mais.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Torço para relançam logo Frankenstein. Quero muito ver o monstro sagrado na maquiagem de hoje. Não será inovador? Discordo do autor.
Experimentar eu adoro! Só não experimento muito no consumo. Essa coisa de Higi Calcinha não é comigo, cerveja Itaipava...

21. Drama ou comédia?
Comédia. Fui inventar de escrever um drama, passei três meses borocochô e ainda perdi o concurso. Ficou tão bonitinha a história do meu Genêis...fiquei triste. Escolheram um reality bacanudo de moda.

22. Houve algum momento que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Não abandonei a publicidade, comecei a fazer roteiro. Abandonei o salário, segurança. “Vai estudar cinema!? Vai gastar todo o seu dinheiro!?”. Fui, sem olhar pra trás. Na minha matemática ganhei conhecimento, money comes, money goes...

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Eu só não acredito na religião.

24. Você já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Do meu tempo eu só gostava mais dos meus cabelos. Estamos melhor agora, com super poderes, ao lado das crianças de hoje, os super-humanos! Que maravilha poder compartilhar o mundo com eles.

25. Os seus nervos são de aço?
Costumavam ser uma piada, hoje são engraçados.

A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
Fica comigo essa noite.

Como é seu local de trabalho?
Obrigada Vanessa! Me diverti muito com a resposta 20.
Conheçam mais sobre essa Mademoiselle aqui, e encontre-a aqui.
Read more

Carlos Careqa

fotos de Edson Kumasaka
1. Nome, idade e ocupação:
Carlos Careqa, 47, musico e ator.

2. Por que você faz o que faz, qual a satisfação que te dá?
Tantas vezes já pensei e sair dessa. Quantas vezes me vi angustiado fazendo o que faço. Mas sinto que não tenho muitas saídas. Gostaria de ter estudado medicina, engenharia ou mesmo ter terminado o meu curso de Direito, que parei no segundo ano.
A música, me pegou de jeito. Gosto de compor canções. Ando em débito com elas, mas gosto muito. Gosto de estar no palco, fazer as pessoas refletir sobre determinado assunto. Gosto de pensar e de fazer pensar. Isto me dá prazer.

3. Onde você gostaria chegar com sua ocupação? Qual o máximo que gostaria de atingir, ainda que fosse utópico?
No momento gostaria de fazer mais shows, pelo Brasil mesmo. Não tenho grandes planos. Ter uma agenda razoável, não muitos shows, apenas o razoável.

4. Que outra coisa acha que poderia fazer se não fizesse isso? Acredita na idéia de vocação (“Nasci para isto”)?
Acredito sim. Vocação, ser chamado. Acho que fui chamado para isto. Mas gostaria de ter uma ocupação que mexesse menos com a vaidade. Mas isto sim é utópico... hehehehe.

5. Que outra coisa você não suportaria fazer?
Quebrar pedras, Carregar sacos de cimento... tanta coisa.

6. Você se preocupa com a transcendência do seu trabalho? Gostaria de alcançar a fama e a glória?
Mais ou menos. Gostaria somente de ser mais ouvido. Fama e glória não pertence muito a gente. No futuro ninguém sabe o que acontecerá.

7. Você acha que gênios existem? De onde vem sua capacidade especial?
Acredito que tem gente muito talentosa, e por isso se tornam gênios. Mas no meu caso, acho que tudo vem de um certo trabalho e também de uma certa preguiça...
Não acho que tenho capacidade especial, apenas tento estar atento a tudo e transformo isto em canção.

8. O que é a arte para você?
Taí uma pergunta difícil. Não sei responder. Quando vejo um quadro do Van Gogh, acho que seja arte. O que eu faço é entretenimento. Tem algumas pitadas de arte, aqui e acolá...
Quando escuto Mozart, acho incrível, vejo muita arte ali...
Mas acho arte tem este papel de trasnformar as pessoas...

9. Quem te inspira? Por quê?
Tom Waits, Arrigo Barnabé, Lars von Trier, Rickie Lee Jones, pois todos estes estão inquietos e procurando novas formas de se comunicar....

10. O que você está lendo agora? Qual o livro preferido em sua biblioteca?
Putz, não tenho lido muito ultimamente. Folheio um ou outro livro. Ganhei um livro do Adolfo Bioy Casares, A invenção de Morel, ainda não terminei.
Meu livro de cabeceira é o LIVRO DO TAO, de Lao Tse...

11. Como é seu processo criativo? Quanto tempo passa desenvolvendo uma ideia? Busco nas ruas, na televisão, nos amigos. As vezes passo meses pensando numa canção... As vezes ela sai em minutos...

12. PC, MAC ou lápis e papel? Por quê?
Mac...
Papel também é bom, pois fica mais quentinho...
O Mac é uma invenção genial... pena que pagamos caro por isso.

13. Blog, Fotolog, Orkut, Facebook ou Twitter? Por quê?
Vixe maria, tudo... resolvi aderir totalmente. Só não tenho blog, pois dá muito trabalho... Mas estou em todos. Pois isto ajuda a divulgar meu trabalho... e adoro estar em contato com os amigos. (nossa que frugal que fui agora...)

14. Existirmos, a que será que se destina?
Bela pergunta, sem resposta!
Viver é bom.

15. Lo que dices y lo que piensas, es lo mismo?
As vezes sim. Me esforço para ser coerente comigo e com os pensamentos. Mas é difícil, as vezes me vejo mentindo para mim mesmo, ou até para os outros. Porém 99% tento ser honesto comigo...

16. Qual o melhor momento do dia para trabalhar? Por quê?
Com Certeza, na madrugada, pois sei que estou só. Silêncio e muita paz.

17. Qual seu site preferido?
No momento o Myspace e o Facebook.

18. É necessário muito treinamento técnico para exercer sua profissão?
Sim e não. Quando se é um cara muito talentoso ele já nasce com tudo em cima.
No meu caso, sempre estou buscando aprender algo novo...

19. Você se incomoda que critiquem seu trabalho?
Não. Adoro, quando recebo crítica... Só fico chateado quando falam besteiras.... mas isto não tem acontecido.

20. Acredita nisso de “não há nada de novo sob o sol”? Você gosta de experimentar e inovar?
Acho que cada vez é mais duro. Mas ainda temos muito chão pela frente. Muitas coisas novas vão aparecer. A internet é uma prova disso tudo. A TV está sendo reinventada pelo Youtube. A musica está passando por um processo, pelo mp3...
Eu gosto muito de experimentar sim, coisas que eu sei vão acrescentar ao meu trabalho.

21. Drama ou comédia?
Comédia com um pouquinho de drama.

22. Houve algum momento que que tenha se dito: “Abandono tudo, não quero mais isso pra mim”?
Nossa, perdi as contas... muitas vezes.

23. Acredita no conceito de alma, espírito, energia vinculada (ou separada) ao corpo?
Sei lá. As vezes acredito, as vezes rezo muito. As vezes gosto de pensar que nada existe, que tudo é transformação como as árvores... mas sinto que tem algo por trás de tudo isso....

24. Voce já diz “No meu tempo não era assim!” ou “Que maravilha a época em que vivemos!”?
Ainda não. O meu tempo é agora como diz o Paulinho da Viola.

25. Os seus nervos são de aço?
Nada. Meus nervos são de Bombril... Qualquer coisa enferruja ou queima logo... Mas tenho amadurecido muito nos últimos 47 anos.

A CLÁSSICA: O que você gostaria de ouvir de Deus quando chegasse lá?
“Senta aqui, não fique aqui tão quieto, senta aqui”

Como é seu local de trabalho?
Tenho um estúdio caseiro, e um escritório pequeno para trabalhar.
E um Iate no quintal para quando estou com preguiça, deito lá e pego um sol.

Obrigada Careqa.

Conheçam mais sobre este Senhor aqui. Ouçam algumas de suas músicas (vale a pena!) aqui. Aqui ele de Tom Waits (demais!). E abaixo a minha favorita.


Read more